Publicado em Sermões e Esboços

Nossa Atitude diante da Soberania de Deus


Pr. Luiz Antonio FerrazIgreja Batista da Esperança25/11/2001

Texto: Lucas 10:21,22

“Naquela mesma hora se alegrou Jesus no Espírito Santo, e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes, e as revelaste às criancinhas; assim é, ó Pai, porque assim te aprouve. Tudo por meu Pai me foi entregue; e ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, nem quem é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar.”

Introdução

1.Estudaremos hoje a aplicação prática desta doutrina em nossas vidas.

2.Jesus é o exemplo máximo. Ele não rejeitou a doutrina, mas se alegrou com ela!

3.Esta doutrina nos informa, mas também nos inspira.

4.Não foi dada para satisfazer nossa vã curiosidade, mas para edificar nossas vidas.

5.A Soberania de Deus significa a Divindade de Deus. Quando falamos da soberania de Deus, queremos dizer muito mais do que o exercício do seu poder. Quando colocamos esse poder em cheque, colocamos em dúvida a própria divindade de Deus. Reconhecer a soberania de Deus é reconhecer o próprio Deus Soberano!

SI. Qual deve ser nossa atitude diante da Soberania de Deus?

I. Nossa Atitude Deve Ser de Piedoso Temor

1.Por que, hoje em dia, a grande maioria das pessoas se despreocupa com as realidades espirituais, amando os prazeres, ao invés de amar a Deus?

2.Por que o desafio contra o céu vai se tornando cada vez mais evidente, mais desenfreado, mais ousado?

3.Por que a autoridade da Escritura tem sido tão deploravelmente rebaixada?

4.Por que até mesmo entre aqueles que professam pertencer ao Senhor há tão pouca submissão à sua palavra, sendo seus preceitos estimados como coisa de pouca importância, e deixados de lado?

5.Eis a resposta: Porque não há temor de Deus!

Romanos 3:18 – “Não há temor de Deus diante de seus olhos.”

6.Deus precisa ser temido!

7.Os não salvos precisam temer a Deus

8.Os salvos precisam temer a Deus:

9.A Bíblia ordena que temamos os homens superiores a nós. Por que não temeríamos a Deus que é superior aos homens?

Efésios 6:5 – “Vós, servos, obedecei a vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor…”

Filipenses 2:12 – “De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor.”

10.Houve época na qual era costume descrever o crente como “homem temente a Deus”. Infelizmente esse costume tornou-se quase extinto!

11.A falta de temor é resultado da rejeição da doutrina da soberania de Deus!

12.Precisamos proclamar a pleno pulmões a doutrina da soberania de Deus.

13.Deus se compadecerá de nós:

Salmo 103:13 – “Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o SENHOR se compadece daqueles que o temem.”

14.Deus olhará para nós:

Isaias 66:2 – “Porque a minha mão fez todas estas coisas, e assim todas elas foram feitas, diz o SENHOR; mas para esse olharei, para o pobre e abatido de espírito, e que treme da minha palavra.

15.Devemos obedecer a Escritura:

1 Pedro 2:17 – “Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai ao rei.

II. Nossa Atitude Deve Ser de Obediência Implícita

1.O homem se considera auto-suficiente

2.O homem natural está cheio de orgulho e rebeldia

3.O remédio para essa doença é uma visão correta da Soberania de Deus

4.Faraó não queria obedecer a Deus.

Êxodo 5:2 – “Mas Faraó disse: Quem é o SENHOR, cuja voz eu ouvirei, para deixar ir Israel? Não conheço o SENHOR, nem tampouco deixarei ir Israel.

5.Faraó achava que Deus era apenas mais um deus entre muitos, destituído de poder, que não necessitava ser temido e obedecido.

6.A rebeldia de Faraó era fruto de sua ignorância quanto à majestade, autoridade e soberania do ser divino.

7.Uma visão de Deus e de sua soberania produzirá a obediência.

8.Jó teve uma visão correta de Deus e isso mudou sua atitude:

Jó 42:5,6 – “Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos. Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza.”

9.Isaías também teve uma visão de Deus:

Isaias 6:5 – “Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos.”

10.O mesmo ocorreu com Daniel:

Daniel 10:6-9 – “E o seu corpo era como berilo, e o seu rosto parecia um relâmpago, e os seus olhos como      tochas de fogo, e os seus braços e os seus pés brilhavam como bronze polido; e a voz das suas palavras era como a voz de uma multidão. E só eu, Daniel, tive aquela visão. Os homens que estavam comigo não a viram; contudo caiu sobre eles um grande temor, e fugiram, escondendo-se. Fiquei, pois, eu só, a contemplar esta grande visão, e não ficou força em mim; transmudou-se o meu semblante em corrupção, e não tive força alguma. Contudo ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo o som das suas palavras, eu caí sobre o meu rosto num profundo sono, com o meu rosto em terra.”

III. Nossa Atitude Deve Ser de Total Resignação [Renúncia]

1.O reconhecimento da Soberania de Deus excluirá toda murmuração.

2.É natural que queixemos, que lamentemos, quando somos privados de coisas que nos apegamos. Somos propensos a considerar que nossos bens nos pertencem.

3.Quando nossos planos são bem sucedido achamos que temos o direito de conservá-lo.

4.Quando temos uma família feliz achamos que nenhum poder tem o direito de penentrar o círculo familiar e abater um ente querido.

5.O instinto perverso do coração humano é clamar contra Deus.

6.Aquele, porém, que reconhece a Soberania de Deus, cala tais queixas, curva-se perante a vontade divina, reconhecendo que Deus não o afligiu tão gravemente quanto ele merece.

7.O verdadeiro reconhecimento da Soberania de Deus admitirá o perfeito direito que Deus tem de fazer conosco o que bem quiser.

8.O crente espiritual dirá: “não fará justiça o Juiz de toda a terra?” (Gn.18:25).

9.Frequentemente há luta, porque a mente carnal permanece no crente até o fim de sua peregrinação na terra. Mas, embora lhe haja um conflito no peito, ainda assim, aquele que aceitou essa bendita verdade logo passará a ouvir aquela voz interior lhe falando “acalma-te, emudece” (Mc.4:39), e a tempestade que ruge em seu interior se aquietará, e a alma submissa elevará seus olhos, lacrimosos, é verdade, mas confiantes, aos céus e dirá: “Seja feita a tua vontade”.

10.Um exemplo dessa atitude temos em Eli, quando ouviu a terrível notícia sobre as vontade do Senhor:

1 Samuel 3:18 – “Então Samuel lhe contou todas aquelas palavras, e nada lhe encobriu. E disse ele: Ele é o SENHOR; faça o que bem parecer aos seus olhos.”

11.Jó também teve uma atitude de resignação. Ele era justo e integro, e se há alguém que não merecia passar pelo que passou, este alguém foi Jó. No entanto Jó não somente reconheceu a soberania de Deus quando disse “o SENHOR o deu, e o SENHOR o tomou”, como também se regozijou com ela “bendito seja o nome do SENHOR”(Jó 1:21).

12.O verdadeiro reconhecimento da soberania de Deus leva-nos a submeter nossos planos à vontade de Deus:

Tiago 4:13-15 – “Eia agora vós, que dizeis: Hoje, ou amanhã, iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e contrataremos, e ganharemos; Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece. Em lugar do que devíeis dizer: Se o Senhor quiser, e se vivermos, faremos isto ou aquilo.”

IV.   Nossa Atitude Deve Ser de Profunda Gratidão e Alegria

1.Quando o coração aprende essa elevada e bendita verdade da soberania de Deus, o resultado é bem diferente da submissão a contragosto, àquilo que é inevitável.

2.Haverá uma atitude de gratidão e alegria, como nos ordena a palavra de Deus, para que demos graças a Deus por tudo:

Efésios 5:20 – “Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.”

Salmo 103:1 – “Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome.”

3.Quando tudo ocorre conforme os nossos desejos damos graças a Deus e demonstramos profunda gratidão a Deus. Mas que dizer daquelas ocasiões em que as coisas ocorrem de maneira contrária a nossos planos e desejos?

4.Devemos reconhecer que todo bem temporal e espiritual vem de Deus:

Tiago 1:17 – “Toda a boa dádiva (temporal) e todo o dom perfeito (espiritual) vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.”

5.O crente submisso e confiante na soberania de Deus terá uma fé operante, e uma fé operante  sabe alegrar-se sempre, em qualquer circunstância:

Filipenses 4:4 – “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos.”

6.Jesus se alegrou com a soberania de Deus:

Lucas 10:21,22 – “Naquela mesma hora se alegrou Jesus no Espírito Santo, e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes, e as revelaste às criancinhas; assim é, ó Pai, porque assim te aprouve. Tudo por meu Pai me foi entregue; e ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, nem quem é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar.”

V.    Nossa Atitude Deve Ser de Adoração e Culto

1.J. B. Moody disse: “a verdadeira adoração se estriba na grandeza reconhecida, e essa grandeza se vê de maneira superlativa na soberania divina, e os homens não podem, realmente, prestar culto postados em qualquer outro escabelo”

2.Na presença do Rei divino até os serafins “escondem o rosto” em atitude de adoração.

3.Qual foi a atitude de Jó? Jó lamentou o seu “azar”? Amaldiçoou os bandidos? Murmurou contra Deus? Não! Curvou-se perante Deus, em adoração!

Jó 1:20 – “Então Jó se levantou, e rasgou o seu manto, e rapou a sua cabeça, e se lançou em terra, e adorou.”

4.A soberania divina não é a soberania de qualquer déspota ou tirano, mas é o beneplácito em exercício daquele que é infinitamente sábio e bom. Porque Deus é infinitamente sábio não pode errar, e, porque é infinitamente justo não fará qualquer injustiça. Aqui, pois, se acha a preciosidade dessa verdade. O simples fato de que a vontade de Deus é irresistível e irreversível enche-me de receio; mas tão logo reconheço que Deus só quer aquilo que é bom, meu coração se regozija!

Romanos 8:28 – “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.”

SI    Qual deve ser nossa atitude diante da Soberania de Deus?

Conclusão

1.1.Atitude de piedoso temor.

2.2.Atitude de obediência implícita.

3.3.Atitude de total resignação.

4.4.Atitude de gratidão e alegria.

5.5.Atitude de adoração e culto.

Anúncios

Autor:

Pastor Titular da Igreja Caminhar em Cristo em Curitiba/PR - Brasil

Um comentário em “Nossa Atitude diante da Soberania de Deus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s